• Home
  • Notícias
  • Posso usar reprodutor Ile de France sem origem comprovada?

Posso usar reprodutor Ile de France sem origem comprovada?

Compartilhar

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on telegram
Share on linkedin
Share on twitter
Posso usar reprodutor Ile de France sem origem comprovada

Neste artigo técnico, o Médico Veterinário e Inspetor Técnico da ARCO, Cesar Henrique Peschel Júnior, responde esse questionamento e ainda dá exemplos dos resultados obtidos com reprodutor sem registro e, ainda, com PO. Confira!

O uso de reprodutor sem origem comprovada é uma prática ainda comum no Brasil, quando se pensa em ovinocultura amadora. Comprovadamente, os resultados não são satisfatórios. A principal desvantagem é a falta de padronização na produção.

Como esses animais mestiços não têm uma consistência genética construída através de gerações, eles produzem todo tipo de cordeiro. Isto é: produzem alguns animais que vão ganhar bom peso, mas a maioria não terá essa característica; produzem alguns animais que serão boas mães, mas a maioria não será; produzem alguns animais com boa carcaça, mas a maioria não terá.

Um exemplo prático é uma fazenda que acompanhamos na região serrana de Santa Catarina. Nunca conseguia passar o peso médio de desmame de 22 kg aos 90 dias. Contudo, após a introdução de um reprodutor Ile de France PO o peso médio de desmame, com a mesma idade, no ano seguinte passou para 35 kg.

Por que isso ocorreu? Os ” reprodutores” usados anteriormente na propriedade era apartado ali mesmo. Quando se introduziu um reprodutor PO, além de todas as características do Ile de France se expressarem nos cordeiros, ainda houve o acréscimo genético da Heterose, conhecida popularmente no campo como “choque de sangue”.

Vejo a ovinocultura brasileira evoluindo, com isso o uso de animais registrados é indiscutível. E digo mais: iniciativas como as que a ABCIF está fazendo de promover programas de melhoramento genético vão ser cada vez mais procuradas pelos produtores. O produtor profissional quer, além de padronização, saber o que vai produzir o carneiro que ele está comprando. É assim no mundo inteiro e no Brasil não será diferente! A ABCIF já largou na frente também nesse critério!

Instagram: @abcif_iledefrance | Facebook: CarnedeIledeFrance

Por Cesar Henrique Peschel Júnior
Médico veterinário e Inspetor técnico da ARCO

Crédito da foto: Reprodução/Instagram/Cabanha Ouro Branco

Leia outras notícias no site da ABCIF